Clientes do Pará terão pacote de vantagens pelo programa Caixa Mais Brasil

Benefícios são para crédito pessoa física, jurídica e habitação

A partir da visita do CAIXA Mais Brasil a Santarém (PA), entre sexta-feira (7) e sábado (8), clientes de todo o estado de Pará contarão com diversos benefícios em produtos do banco. Serão oferecidas taxas especiais para a contratação de crédito pessoa física e pessoa jurídica, além de vantagens no segmento de habitação. As condições valem por 30 dias a partir de segunda-feira (10).

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, destaca a importância do Programa CAIXA Mais Brasil nas regiões visitadas. “Nosso objetivo é fomentar o desenvolvimento das economias locais. Queremos identificar e entender as necessidades regionais e oferecer soluções e alternativas que atendam as pessoas, empresas e os entes públicos”, comentou.

Para as micro e pequenas empresas, a CAIXA vai oferecer Capital de Giro com taxa de juros a partir de 1,35% a.m, além de taxas mais atrativas para lotéricos; taxa de juros da linha de Financiamento de Máquinas e Equipamentos a partir de 1,10% a.m.; desconto de cheques a partir de 1,10% a.m.; isenção da cesta de serviços por seis meses a partir da adesão; isenção da tarifa de lançamento do Folha CAIXA Web por 18 meses; e desconto de 10% no Seguro Empresarial e na taxa de administração de consórcios.

Os clientes pessoa física terão taxas reduzidas nos principais convênios de empréstimo consignado da região, além de descontos em convênios nacionais. Para crédito pessoal, a CAIXA oferece taxas a partir de 0,99% a.m.. O Seguro Residencial terá desconto de 19% nas taxas e os consórcios terão desconto de 10% na taxa de administração.

Para o segmento de habitação, a análise de conformidade da contratação e da liberação de recursos ao vendedor após o registro será realizada no mesmo dia, beneficiando tanto o comprador quanto o vendedor do imóvel. O tempo de avaliação de empreendimentos SBPE será realizada em 20 dias.

Também serão realizadas as ações CAIXA Mais Social, promovendo, para beneficiários do Minha Casa Minha Vida, educação financeira, orientações sobre adimplência e atualização cadastral; e a CAIXA Mais Apoio Técnico, que vai disponibilizar por 30 dias consultoria técnica para elaboração de projetos e processos de pessoas jurídica para obtenção de financiamento do banco.

Caixa cria subsidiária de meios de pagamento


Caixa Cartões passa a comercializar produtos e serviços nos canais de atendimento do banco

A CAIXA firmou, nesta segunda-feira (20), contrato de outorga à CAIXA Cartões Holding S.A. para a divulgação, oferta, distribuição e comercialização de produtos e serviços de adquirência nos canais de atendimento do banco, entre agências, correspondentes bancários, unidades lotéricas e canais digitais.

A CAIXA Cartões tem por objetivo a gestão de participações societárias, podendo adquirir e alienar participações em empresas já existentes ou por ela criadas, públicas ou privadas, cujo objeto social seja relacionado a meios de pagamento, abrangendo, dentre outros, atividades de emissão e gestão de contas e instrumentos de pagamento, credenciamento, adquirência e  fidelização, além de explorar esses negócios nos canais da CAIXA.

Para o presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, a estratégia vai dinamizar e ampliar o posicionamento do banco no mercado de cartões e meios de pagamentos, atuando de forma mais abrangente e focada nesse ramo. “A atuação no mercado de adquirência está alinhada à aspiração de longo prazo da CAIXA de alcançar posição relevante e rentável no mercado financeiro e de meios de pagamento, incrementando a oferta de produtos e serviços com sua base de clientes, por meio da exploração dos diversos segmentos de negócios existentes no mercado e do estabelecimento de parcerias estratégicas”, diz.

A CAIXA opera atualmente no mercado de captura de transações de meios de pagamento eletrônicos por meio de acordos operacionais com as duas maiores adquirentes do país, CIELO e REDE, com o objetivo de oferecer o serviço de credenciamento de estabelecimentos que, por sua vez, permite aos clientes, pessoa jurídica ou física, a solicitação de máquina de cartões para o recebimento de vendas com cartões de débito e crédito.

Paralelamente, conforme já anunciado ao mercado, a CAIXA está em processo de escolha de parceiro estratégico para constituição de joint venture, para dinamizar e ampliar a atuação neste segmento junto à sua base de clientes.

Lotéricos e Caixa Econômica fazem acordo sobre remuneração de serviços bancários

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, comemorou o acordo fechado entre a Caixa e a Federação Brasileira das Empresas Lotéricas (Febralot). O acordo permite o reajuste dos valores pagos pela instituição bancária aos permissionários lotéricos no recebimento de boletos, faturas de concessionárias de serviço público e outros convênios. O termo de compromisso entre os presidentes da Caixa, Nelson Antônio de Souza, e da Febralot, Jodismar Amaro, foi assinado no gabinete da presidência nesta terça-feira (29).

— Saída negociada não tem perdedor, saída negociada só tem vencedor — afirmou o presidente do Senado.

Eunício vem intermediando o entendimento entre as partes desde que o Projeto de Lei da Câmara 1/2018, que trata do reajuste, chegou ao Senado em fevereiro deste ano. Também participaram das negociações os autores da matéria, deputados Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e Goulart (PSD-SP); o relator e líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (MDB-RR); e o vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, Beto Mansur (MDB-SP). Todos estavam presentes à solenidade.

— Eu precisava explicar porque a não votação rápida do projeto. Eu sabia que ia dar em nada, todo o esforço do Congresso. No final, nós íamos aqui tentar fazer um enfrentamento para derrubar um veto que seria pautado não sei quando — explicou o presidente do Senado, ciente de que, se o PLC fosse aprovado como estava, seria vetado pelo presidente da República por recomendação da equipe econômica.

— O acordo foi o maior avanço que a categoria já teve nesses últimos 40 anos, principalmente por ter estabelecido uma data-base. Nós precisávamos. Todos os contratos, no Brasil, têm uma data em que ele tem que ser revisto e reajustado, o nosso não tinha — falou Jodismar Amaro.

Para o presidente da Caixa, o maior beneficiado com o acordo vai ser a própria sociedade brasileira. Segundo ele, 13 mil casas lotéricas atendem 120 milhões de pessoas pelo país e fazem a diferença principalmente nos municípios onde a casa lotérica representa o único banco disponível em um raio de quilômetros.

— Dá conforto ao povo brasileiro. Então, é importante, no dia como hoje, nós estarmos assinando e celebrando um acordo que foi produto de um entendimento, de um bom senso, de uma sensibilidade tanto da Febralot, como da Caixa Econômica Federal, da Febraban, mas especialmente, do Congresso Nacional, do Senado Federal, na pessoa do presidente Eunício, nos autores do projeto — declarou Nelson de Souza.

O acordo

O termo de compromisso já está valendo e prevê o arquivamento do PLC 1/2018. O documento define o mês de julho como data-base para a correção dos contratos e a seguinte tabela de tarifas:

ServiçoValor atual da remuneraçãoNovo valor da remuneração a partir de 2/05/2018Novo valor da remuneração a partir de 2/07/2018
ConcessionáriasR$ 0,53R$ 0,63R$ 0,73
Boletos de cobrança da CaixaR$ 0,65R$ 0,80R$ 0,80
Boletos de cobrança de outros bancosR$ 0,65R$ 0,80R$ 0,80
Tributos (municipal, estadual e federal)R$ 0,53R$ 0,63R$ 0,73
Pagamento eletrônico CaixaR$ 0,65R$ 0,65R$ 0,73

A partir da semana que vem, Caixa e Febralot retomam as negociações para revisar a forma de pagamento do carro-forte que faz o transporte de dinheiro.

Da Assessoria de Imprensa da Presidência do Senado

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Câmara aprova projeto que fixa taxa a ser repassada por bancos a lotéricas pelo recebimento de boletos

Hoje, quando uma pessoa paga um boleto em uma lotérica, o banco repassa uma parte à lotérica, mas não há valor estabelecido. Pela proposta, percentual será de 0,8% e deverá ser reajustado.

Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (12) um projeto que fixa a taxa paga por bancos às casas lotéricas ou correspondentes pelo recebimento de boletos bancários.

Pela proposta, o valor deverá ser reajustado periodicamente. O texto segue para análise do Senado.
Hoje, quando uma pessoa paga um boleto em uma lotérica, o banco repassa uma parte à lotérica, msa não há um valor estabelecido. Pela proposta:

  • O valor será fixado no percentual de 0,8% do valor do boleto bancário ou da conta a ser paga
  • A taxa mínima será de R$ 1,06 e a máxima, de R$ 3,14

Ao apresentar o projeto, os deputados Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e Goulart (PSD-SP) argumentaram que o repasse atual é insuficiente para a manutenção das lotéricas, o que, segundo eles, causou o fechamento de diversas lotéricas.

Relator da proposta, Júlio Cesar (PSD-PI) acrescentou que os lotéricos são importantes para atender à população que não tem acesso a agências bancárias.
“Antes, só estava bom para a Caixa, agora fica bom para a Caixa e para os lotéricos”, afirmou o relator da tribuna, durante a sessão desta terça.

O projeto também determina que o transporte de valores, decorrentes das transações efetuadas pelos permissionários lotéricos, serão custeados pelas instituições financeiras contratantes.

Bancos anunciam criação da empresa Gestora de Inteligência de Crédito

CAIXA, Bradesco, Banco do Brasil, Santander e Itaú divulgaram, nesta quarta-feira (14), comunicado a acionistas e ao mercado em geral sobre a criação da Gestora de Inteligência de Crédito, empresa cujo controle será compartilhado entre as cinco instituições financeiras. A empresa será responsável por desenvolver um banco de dados com informações cadastrais e creditícias de pessoas físicas e jurídicas, possibilitando o aperfeiçoamento dos processos de concessão de crédito no país. Leia, abaixo, a íntegra do comunicado.

COMUNICADO AO MERCADO

A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, por meio de sua subsidiária Caixa Participações S.A., comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que, em conjunto com o BANCO BRADESCO S.A., o BANCO DO BRASIL S.A., o BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., e o ITAÚ UNIBANCO S.A., firmou nesta data os documentos definitivos necessários à constituição da empresa Gestora de Inteligência de Crédito S.A. (Companhia). O controle da Companhia será compartilhado entre as partes, sendo que cada uma delas deterá 20% de seu capital social. O Conselho de Administração da Companhia será composto por membros indicados pelas partes e a sua diretoria terá dedicação exclusiva ao negócio, preservando a gestão independente da empresa. Conforme informado no Comunicado ao Mercado, publicado em 21.1.2016, a Companhia desenvolverá um banco de dados com o objetivo de agregar, conciliar e tratar informações cadastrais e creditícias de pessoas físicas e jurídicas, nos termos das normas aplicáveis. Tal atuação propiciará, através de um conhecimento mais profundo do perfil das pessoas físicas e jurídicas, um significativo aperfeiçoamento dos processos de concessão, precificação e direcionamento de linhas de crédito realizados pelos entes participantes do Sistema Financeiro Nacional, resultando, assim, na melhoria do ambiente de crédito do país em uma perspectiva de médio e longo prazos. As partes estimam que a Companhia estará integralmente operacional em 2019.

A constituição da Companhia reafirma nossa confiança no futuro do Brasil e do mercado de crédito, criando condições para um mercado mais sólido e sustentável.

São Paulo, 14 de junho de 2017.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

76% já sacaram o saldo das contas inativas do FGTS

R$ 15 bilhões já foram pagos pela CAIXA, 83% do valor total de R$ 18,1 bi previsto até a segunda fase

Em balanço divulgado nesta quinta-feira (20), a Caixa Econômica Federal informa que já pagou, até o dia 19 de abril, R$ 15,1 bilhões para 9,5 milhões de trabalhadores nascidos entre janeiro e maio beneficiados pela MP 763/2016, que liberou o saque de contas inativas do FGTS com data fim do contrato de trabalho até 31 de dezembro de 2015.

O número de trabalhadores que já sacaram os recursos das contas do Fundo referente à MP 763/2016 superou 9,5 milhões e representa 76% das 12,5 milhões de pessoas nascidas no período com direito a sacar as contas inativas.
O valor pago na primeira e segunda fase equivale a 83,2% do total inicialmente previsto (R$ 18,1 bilhões) para as duas fases.

Das 16,6 milhões de contas inativas pagas, o crédito em conta CAIXA foi a opção que mais atraiu os trabalhadores. Cerca de 7 milhões de contas foram creditadas nessa modalidade. Essa opção de pagamento foi realizada de forma automática para titulares de conta poupança individual e para correntistas ou titulares de conta poupança conjunta que manifestaram o interesse em receber dessa forma, sempre no primeiro dia de abertura do respectivo calendário.

Apenas na Região Sudeste, que concentra o maior número de trabalhadores, foram pagos R$ 9,43 bilhões, sendo R$ 6,28 bilhões no estado de São Paulo. Juntas, as demais regiões somaram R$ 5,7 bilhões pagos até esta quarta-feira (19).

O cronograma ainda prevê mais três fases de pagamento, lembrando que todas permanecem com o prazo final de saque até 31 de julho. A partir de 12 de maio, será a vez dos trabalhadores nascidos em junho, julho e agosto terem acesso ao saldo das contas. Em 16 de junho, o calendário abre para os aniversariantes de setembro, outubro e novembro. Finalmente, em 14 de julho, inicia a última fase de pagamento, a dos nascidos em dezembro. A MP 763/216 beneficia 30,2 milhões de trabalhadores, com saldo total de R$ 43,6 bilhões.